publicidade

Blog do Amaury Jr

Depois de acusações de estupro, mulher de Harvey Weinstein pede o divórcio

O produtor Harvey Weinstein e sua mulher, Georgina Chapman (Foto: Reprodução)

 

A situação de Harvey Weinstein, um dos produtores mais poderosos de Hollywood e com vários Oscars no currículo, só piora. A cada dia, mais mulheres se juntam às denúncias de assédio sexual e estupro, alguns ocorridos há mais de três décadas. A última foi a atriz italiana Asia Argento, filha do diretor Dario Argento, que contou à revista “New Yorker” que Weinstein a forçou a fazer sexo oral nele há 20 anos. A revista investiga as denúncias de 13 mulheres contra o produtor há 10 meses.

Nesta terça, sua mulher, Georgina Chapman, anunciou à revista “People” que está pedindo o divórcio. Ela é casada com Weinstein desde 2007 e tem dois filhos com ele, India Pearl, 7, and Dashiell Max Robert, 4. “Meu coração está partido por todas as mulheres que passaram pelo sofrimento causado por essas ações imperdoáveis. Eu escolhi deixar meu marido. Cuidar de meus filhos jovens é a minha prioridade, e peço privacidade aos meios de comunicação neste momento”, afirmou Chapman em um comunicado à revista. Ela é estilista da grife Marchesa.

Após os primeiros relatos de várias mulheres reportadas na semana passada pelo “New York Times” – entre elas as atrizes Ashley Judd e Rose McGowan -, Weinstein negou todas as alegações de sexo não-consensual, e afirmou que tinha o apoio de sua mulher. “Ela está 100% ao meu lado”, declarou ao “New York Post”. E disse ainda que Chapman o estava ajudando a se tornar “um ser humano melhor” e “a pedir desculpas às pessoas pelo meu mau comportamento”.

Mas nesta semana a situação se agravou ainda mais, com acusações de Angelina Jolie e Gwyneth Paltrow, entre outras atrizes. As duas foram assediadas em quartos de hotel na década de 1990. Paltrow namorava na época o ator Brad Pitt, que confrontou o produtor, o que fez com que Weinstein ligasse para ela para fazer ameaças. “Ele gritou comigo por muito tempo. Foi brutal”. Pitt confirmou o relato ao “New York Times”.

De acordo com o jornal, o empresário fez pelo menos oito acordos de processos abertos nas últimas décadas, de atrizes, assistentes e outras profissionais. No domingo, Weinstein foi demitido de seu próprio estúdio.