publicidade

Blog do Amaury Jr

Kim Kardashian aciona seus advogados a favor de garota vítima de tráfico humano

Foto: Reprodução Instagram

 

Cyntoia Brown tinha apenas 16 anos quando foi traficada e vendida a Johnny Allen, de 43 anos, depois de ser abusada e drogada por um aliciador. A americana foi mantida por 13 anos com o homem que a comprou. Para conseguir fugir, a jovem pegou uma das armas da coleção de Allen e atirou contra ele. Foi condenada a 69 anos de prisão por matar quem a mantinha refém como escrava sexual. O julgamento de 2004 simplesmente desconsiderou o histórico de violências pelas quais a garota passou, e que resultou em sua condenação por roubo e prostituição.

O caso voltou a ser comentado porque celebridades se manisfestaram a favor de Cyntoia. A socialite, empresária e digital influencer Kim Kardashian, por exemplo, acionou seus advogados para que avaliem saídas legais para a garota. Disse que houve uma “falha no sistema” em um post no Twitter: “O sistema falhou. É de quebrar o coração ver uma mulher traficada que quando toma coragem de lutar fica presa pelo resto vida! Temos que fazer melhor e fazer o que é certo. Liguei para meus advogados ontem para ver o que pode ser feito para corrigir isso.”

Rihanna, Cara Delevingne e Lauren Jauregui também se engajaram e pediram a liberdade da americana, que hoje tem 29 anos e está presa há 13. Apesar da idade, foi julgada como adulta. No sistema jurídico americano, ela só poderá pedir liberdade condicional depois de pelo menos 51 anos de reclusão.

Durante o julgamento, Cyntoia contou detalhes dos 13 anos em que foi mantida com o estuprador. Disse que foi sufocada, arrastada e teve armas apontadas para a cabeça no cativeiro. Os promotores avaliaram, no entanto, que a causa do assassinato foi roubo, porque a acusada fugiu com uma carteira e uma arma da cena.

A hashtag #FreeCyntoiaBrown (Libertem Cyntoia Brown) viralizou no início desta semana e despertou uma série de críticas sobre o sistema de justiça americano.

Aqui no Brasil casos semelhantes acontecem com frequência. O último a ganhar repercussão na web foi o de Tatiane da Silva Santos, mulher que teve seu bebê de 1 ano e 2 meses assassinado pelo marido mas foi presa ao procurar justiça. Ele tinha histórico de violência doméstica, mas todas as vezes em que Tatiane procurou ajuda foi instruída – pela Justiça – a dar mais uma chance ao marido. Se quiser ajudar, como Kim Kardashian, acesse: Liberdade Para Tatiane

#FREECYNTOIABROWN

Uma publicação compartilhada por badgalriri (@badgalriri) em