publicidade

Blog do Amaury Jr

Categoria : No ar


Nanda Costa, Marina Lima e mais na festa de 11 anos da ‘Revista J.P’, de Joyce Pascowitch

Para Joyce Pascowitch, festa que é festa tem que ter Amaury Jr. (Foto: Arquivo blog)

 

Referência no mercado editorial brasileiro, a “Revista J.P”, de Joyce Pascowitch, ganhou um festão no último domingo (22) em comemoração aos seus 11 anos.

O get together aconteceu na sede do Iate Clube de Santos, em Higienópolis, com presenças ilustres como Nanda Costa – capa da edição de aniversário -, Marina Lima, Tatianna e Zé Victor Oliva, Roberta Miranda e Pinah Ayub com sua filha, Claudia.

Nanda falou ao programa sobre seu amadurecimento como atriz, mas também seu crescimento como pessoa e seu envolvimento em causas que mexem com ela: “Tomo cuidado para não colocar minha personalidade antes das personagens, mas preconceito, intolerância, isso que o país está vivendo, de censura, pra mim é revoltante. É um retrocesso, e a gente tem que se posicionar”, declarou.

Leia mais: Joyce Pascowitch reúne famosos para comemorar 11 anos da ‘Revista J.P’ 

Suas declarações mais contundentes se referiam à “cura gay”, apelido dado à liminar que permite que psicólogos ofereçam pseudoterapias de reversão sexual. “Acho um absurdo, tem que ser livre pra amar quem quiser, independente de quem seja. Pra mim, a religião é o amor. Quando tem amor tá tudo certo”, afirma Nanda.

A cantora Marina Lima também fez seu desabafo sobre os caminhos sombrios que o país está trilhando: “O Brasil é um país imenso, e a gente tem que olhar pro povo, e ver que a maioria do povo não tem dinheiro. Essa questão social é muito importante. Como as pessoas podem estar bem se não têm escola, se não têm saúde. Tem um problema urgente que tem que ser tratado, que é a questão social”, afirmou.

E mais: “Essa coisa de dar ração pro povo… Você acaba se acostumando, achando que o povo pode ser mesmo pobre, escravo, bicho… E não pode ser assim! O mundo não pode ser mais assim. E vai revoltando a gente. A gente fica achando que o povo tem razão de ser revoltado e agressivo”.

A anfitriã, Joyce Pascowitch, contou qual o momento mais difícil do Grupo Glamurama nesses 11 anos: “Em termos de criatividade, de conteúdo, não tem momento difícil. O mundo vai girando e a gente sempre tem notícia. Mas segurar esse circo todo, contratar pessoas, dar empregos, essa é a parte difícil, e esse ano foi o mais difícil de todos. Mas a gente tá resistindo, porque a gente é forte”.

O Programa Amaury Jr. foi ao ar nessa terça, mas se você perdeu, pode ver aqui:

 


Entrevista: Doria elogia Temer, defende reformas e alfineta esquerda: “Adoram beber”

Amaury Jr. e João Doria Jr. durante a gravação do programa (Foto: Reprodução)

 

João Doria Jr. foi o convidado do Programa Amaury Jr. que foi ao ar nessa quarta-feira, na RedeTV! O prefeito chegou para a gravação direto da Cracolândia, hoje chamada de Nova Luz, onde participou de uma ação com moradores do bairro. “As pessoas  estavam jogando bola, ocupando a região, área degradada durante 22 anos. Um verdadeiro shopping center de drogas 24 horas por dia”. Garante que a Cracolândia acabou fisicamente, mas que o problema ainda existe: “É uma ação contínua”.

Sobre a ovada que recebeu em Salvador, onde foi receber o título de cidadão soteropolitano, afirmou ter sido uma “intolerância típica de uma boa parte da esquerda brasileira, que não tem convívio democrático”.

Leia mais:Para cumprir meta, João Doria Jr. mapeou o número de buracos da cidade de SP. Quantos?

Doria garante que sua relação com o governador Geraldo Alckmin não poderia estar melhor, ao contrário do que afirmam alguns veículos: “Nos falamos quase todos os dias, e pelo menos uma vez por semana estamos juntos, para discutir a situação do Brasil, a prefeitura de São Paulo…”. E uma possível candidatura à Presidência? “Não discutimos a questão da candidatura. Se olhar as defesas do Gerado e as minhas, elas são as mesmas: defender o Brasil, proteger as reformas, proteger a melhora da economia brasileira – a economia está melhorando, o ministro Henrique Meirelles está fazendo um bom trabalho, ele e a equipe do governo Temer”.

Quanto às críticas sobre o excesso de viagens para receber homenagens – são 96 convites pendentes -, que o mantêm afastado da prefeitura por longos períodos, afirma que compensa em horas de trabalho, e aproveita para alfinetar mais uma vez a esquerda: “Enquanto esses petistas, esquerdistas e outros istas estão dormindo, porque adoram discutir a sociologia do comunismo, do socialismo, do marxismo, adoram beber uma cachaça, um bom vinho, sobretudo se não for pago por eles próprios, eu estou trabalhando”. E mais: “Eu uso tecnologia. Essa turma aí sabe no máximo escrever”.

Para finalizar, um pinga-fogo com alguns nomes da política:

Michel Temer: “Tenho boas relações, respeito sua trajetória. Conheço o Michel Temer desde que ele era promotor público em São Paulo. São 40 anos de relacionamento. Sempre foi uma pessoa correta e equilibrada.”

Fernando Henrique Cardoso: “Um sábio, e um ativo da política brasileira, do PSDB, que é o meu partido, presidente de honra. E uma das figuras políticas mais importantes deste século.”

Donald Trump: “Um temperamental. Venceu democraticamente, mas tem um temperamento difícil. Estive três vezes com ele. É um temperamento que não é o meu.”

Confira a primeira parte da entrevista:


Para cumprir meta, João Doria Jr. mapeou o número de buracos da cidade de SP. Quantos?

João Doria Jr. em gravação para o Programa Amaury Jr. (Foto Arquivo blog)

 

O prefeito João Doria Jr. está focado em combater um dos problemas históricos dos paulistanos: os buracos. A estimativa da prefeitura é que existam 650 mil buracos espalhados pela cidade de São Paulo. Na noite de sexta-feira (25), Dória se vestiu mais uma vez de funcionário e foi tapar ele mesmo alguns buracos na Zona Norte, onde ficou até a 1h da madrugada. “Fiquei durante uma hora e meia tapando buraco, para dar o exemplo”, afirmou em entrevista ao Programa Amaury Jr.

“Até dezembro, devemos estar com 75% a 80%, talvez 85% dos buracos que o PT deixou em São Paulo tapados. Sei que não foi um problema só do PT, eles provavelmente herdaram buracos de outras gestões”, pondera. “É um problema histórico, mas tem que ser resolvido”, completa Doria.

O prefeito falou também de suas viagens – são 94 convites para homenagens na fila -, das ações na Cracolândia, das privatizações do Pacaembu, Anhembi, Sambódromo e Autódromo de Interlagos e, claro, de uma hipotética candidatura à presidência.

A entrevista completa vai ao ar no Programa Amaury Jr. de hoje, à 0h30, na RedeTV!


Fabiola Reipert no Programa Amaury Jr.: “Muitos me processam, a maioria perde”

Fabiola Reipert e Amaury Jr. (Foto: Reprodução)

 

A jornalista Fabiola Reipert, que atualmente comanda o quadro “Hora da Venenosa”, no “Balanço Geral”, da TV Record, foi a entrevistada do Programa Amaury Jr. que foi ao ar na última sexta-feira (28).

Conhecida por não ter papas na língua, Fabiola coleciona processos de famosos, e brinca: “Muitos me processam, poucos ganham.” E continua: “Tem gente que entra na justiça para me proibir de citar seu nome. Isso é censura.”

Alguns exemplos de famosas que entraram com processo contra a jornalista e perderam, são as atrizes globais Suzana Vieira e Paolla Oliveira.

O caso mais recente teve desfecho inusitado: a cantora Claudia Leitte não compareceu ao tribunal, e perdeu a ação que iniciou na justiça contra a jornalista. A sentença final do caso foi proferida na última terça feira, 26, na audiência que deveria ter ocorrido, mas não ocorreu porque a cantora viajou para a Itália. Foi a terceira vez consecutiva que Cláudia não deus as caras no tribunal. Para o juiz Ulisses Augusto Pascolati Junior, a cantora não apresentou “motivos excepcionalíssimos” que justificassem sua ausência.

O processo foi em razão de uma nota de Fabiola que dizia que Claudia está em baixa na carreira e chegou a fazer shows em um estacionamento de churrascaria. Ela não gostou e disse que a isso a difamou. Também demonstrou não gostar do apelido que Reipert costuma usar para falar dela: “genérica da Ivete [Sangalo]”.

Depois do fim do processo, Fabiola já voltou a chamar Claudia pelo apelido. Confira a entrevista completa:


Programa Amaury Jr.: tudo sobre a parceria entre Universidade Brasil e Flamengo

Após fechar com o Corinthians, a Universidade Brasil e a UNIESP foram até o Rio de Janeiro para firmar a parceria com o time de maior torcida do país: o Flamengo!

Leia mais: Agora os gols do Flamengo também valem bolsas de estudo na Universidade Brasil

Com direito a bola rolando, o presidente do time carioca, Eduardo Carvalho Bandeira de Mello, e o reitor da Universidade Brasil, Dr. Fernando Costa, consolidaram o encontro. Confira!

 


Programa Amaury Jr.: arraiá da Sonia Abrão tem selinho de Tatola e João Kleber e mais

A apresentadora Sonia Abrão armou um arraial pra lá de divertido para comemorar seu aniversário de 59 anos. A festa aconteceu no último dia 30, na Casa da Fazenda, em São Paulo. Entre os convidados, João Kleber, Dudu Camargo, Daniela Albuquerque e Christina Rocha. Renata Kuerten, Helô Pinheiro e Tatola assumiram o microfone do Programa Amaury Jr. e saíram entrevistando os colegas. E apesar de João Kleber ter ido de noivo da aniversariante, quem ganhou selinho foi o colega Tatola. Vem ver no vídeo:

 


Depressão, ansiedade, vícios… O psiquiatra Luis Altenfelder comenta os males do século no Programa Amaury Jr.

Qual a diferença entre ansiedade, depressão e síndrome do pânico? A depressão pode gerar problemas físicos? Como manter a sanidade mental nesses tempos de crise ética e política? Luis Altenfelder, responsável pelo atendimento psiquiátrico do Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Sírio Libanês, em São Paulo, explica essas e outras questões relacionadas a transtornos mentais.

“O grande antidepressivo no Brasil seria toda uma reforma política, toda uma mudança de mentalidade, que deve levar duas ou três gerações, pra gente ter um país sem corrupção, um país com uma qualidade de vida muito melhor”, diz. “Isso com certeza diminuiria os casos de stress e depressão. Acredita-se que 20% da população tem, terá ou teve depressão”.

Ele fala também sobre drogas e dependências, como a obsessão pela tecnologia. “Muito comum entre adolescentes, principalmente meninos, que ficam até 15 horas por dia jogando online. Ele não faz mais nada, não se relaciona com os amigos, não sai de casa. Se isola, vai mal na escola, não estuda, e fica totalmente dependente desses jogos”, diz.

E alerta para um perigo mais recente: a dependência das redes sociais. “Isso atinge adolescentes, mas muitos adultos também. É comum ver em restaurantes, as pessoas não se comunicam. Esse é o grande risco das redes, elas dão a sensação de que você se comunica com o mundo, com o outro”, afirma. “E na rede você é quem você quiser, você pode até inventar um personagem. Você vive esse personagem idealizado, e você não é você”, completa.

O dano, a longo prazo, é perder a comunicação com o mundo e se isolar. “Você vive unicamente uma fantasia, não vive a sua realidade, e não modifica de fato aquilo que tem que modificar na sua vida, que é estabelecer escolhas mais adequadas, ter uma satisfação maior na vida, e seguir.”

E mais: o risco de dependência nesse caso é muito maior. Por quê? Confira na entrevista:


Programa Amaury Jr.: Daniel Boaventura fala sobre carreira internacional e assédio, e dá uma palinha em espanhol

Focado em sua carreira de cantor – que vai de vento em popa -, Daniel Boaventura foi o entrevistado dessa terça do Programa Amaury Jr. Ele falou sobre sua carreira internacional na América Latina, em particular no México, onde já tem shows agendados, sobre o novo musical “Peter Pan”, que está coproduzindo, além de atuar, e ainda deu uma palinha de “Besame Mucho”, do seu repertório em espanhol. Confira aqui a entrevista completa:


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>