publicidade

Blog do Amaury Jr

Categoria : Política


MESA DE PISTA: Política, cinema, música, esporte e religião nas rodas de conversa

A modelo plus size Fluvia Lacerda; a capa do livro de Juca Kfouri; a “farra dos guardanapos”do ex-governador do Rio Sergio Cabral (Fotos: Divulgação / Reprodução Instagram)

 

. No episódio em que Sergio Cabral e parceiros foram fotografados com guardanapos na cabeça no restaurante do chef Alain Ducasse, em Mônaco, Carlos Arthur Nuzman também estava. Mas se manteve longe dos flashes.

. O livro de Juca Kfouri, “Confesso que Perdi” (memórias), é muito bom, até para quem não se interessa por futebol. A descoberta da identidade de Carlos Zéfiro, que produzia os famosos “catecismos” – as pioneiras revistas de sacanagem explícita do Brasil – é uma das abordagens. Foi ele Juca quem chegou a Alcides Caminha, que por 30 anos se escondeu sob o pseudônimo de Carlos Zéfiro. E acrescenta Kfouri: “Catecismos porque o autor teria sido seminarista e se vingava da igreja. Zéfiro porque na mitologia grega é o Deus que servia a Eros, o deus do amor”.

. Também foi a Juca Kfouri que Pelé contou – e está no livro – que mandou Xuxa perder a virgindade antes de namorá-la e que atendeu a Ayrton Senna no pedido de não publicar o primeiro ensaio como coelhinha da “Playboy”. Recolheu todas as fotos, mandou a Senna e nenhuma foi publicada. Só muito tempo depois Adriane Galisteu foi capa da revista – como viúva de Senna.

. O longa “Bingo”, de Daniel Rezende, enfrentará 92 concorrentes no Oscar de melhor filme estrangeiro. Um deles, dirigido por Angelina Jolie, “First They Killed My Father”, é apontado como o mais forte rival.

. Chico Buarque inicia em dezembro a turnê de sua nova obra, “Caravana”. O primeiro show será em Belo Horizonte, dia 13 de dezembro.

. Igreja e Carnaval parecem estar andando juntos. Padre Omar, reitor do Santuário do Cristo Redentor e pároco da igreja de São José na Lagoa (RJ), avisa que a Arquidiocese do Rio e a Associação das Escolas de Samba Mirins celebram os 300 anos da Padroeira do Brasil no I Desfile Mirim da Padroeira. Será dia 12 de outubro, com concentração em frente ao Forte do Leme e desfile pela Avenida Princesa Isabel.

. Ainda nesta data, 12 de outubro, a cidade de Aparecida (SP) deve receber cerca de 200 mil pessoas para a celebração dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil. O evento contará com um show de fogos de artifício, que será realizado pelo polo pirotécnico de Santo Antônio do Monte (MG). Cerca de 5 toneladas de fogos de artifício foram doadas pelas indústrias da cidade mineira para o espetáculo de luzes e cores, nos três dias do evento.

. A modelo brasileira plus size Fluvia Lacerda, considerada “a Gisele Bündchen do plus size”, vai participar da 6ª edição do Fashion Meeting – que acontece entre os dias 17, 18 e 19 de outubro, na Universidade Belas Artes, em São Paulo. A modelo participará do encontro falando sobre Empoderamento Feminino. O evento, com workshops, painéis, desfiles e homenagens, promete reunir 50 profissionais em alta do mundo da moda.

. A dupla Fernando e Sorocaba faz na quarta-feira, dia 11 de outubro, no Espaço das Américas (SP), show de lançamento do DVD “Sou do Interior”, gravado na cidade de Holambra, interior de São Paulo. O trabalho celebra os 10 anos de carreira dos sertanejos, que escolheram um milharal como cenário. A captação foi feita durante o dia e o sol foi o responsável pela iluminação do DVD. Não foram usados painéis de LED nem efeitos especiais. Foram 3 meses de pré-produção. Depois de escolhido, o milharal de 140 mil m² levou 10 dias para ser preparado antes do início da montagem da cenografia.


Nobel explica ausência de mulheres na premiação deste ano

Divulgado ao longo da última semana, o Prêmio Nobel de 2017 recebeu muitas críticas por, mais um vez, escolher somente homens como os vencedores de suas seis categorias.

A Academia foi criticada após premiar somente homens neste ano (Foto: Divulgação)

 

Em resposta ao grande questionamento do público e da imprensa, o vice-presidente da premiação, Göran Hansson, explicou o motivo para tamanha desigualdade: “Estamos desapontados, olhando numa perspectiva maior, por não termos premiado mais mulheres. A razão, em parte, é que temos que voltar no tempo para identificar as descobertas. Temos que esperar até que elas tenham sido verificadas e validadas antes de entregarmos os prêmios. E antigamente havia ainda mais preconceito em relação às mulheres. Se você voltar 20 ou 30 anos, existiam muito menos cientistas mulheres.”

Mas Hansson afirma que essa pode não ser a única explicação para a falta de premiadas, e garante que está tomando as medidas necessárias para que a segregação diminua nas próximas edições. “Eu desconfio que haja muito mais mulheres que merecem ser consideradas para o prêmio. Assim, começamos a identificar essas cientistas e a convidá-las para serem indicadas. No próximo ano, vamos pedir nos nossos convites indicações de mulheres, e que se leve em consideração as diversidades étnica e geográfica”, afirma. “Espero que em cinco a dez anos nós tenhamos uma situação completamente diferente”.

Ele explicou que existem mulheres dentro dos comitês de seleção e que, segundo ele, não existe um preconceito por parte da Academia: “Se você olhar para os comitês do Prêmio Nobel, há mulheres presidindo três dos seis comitês, e cientistas mulheres em todos eles.”

Responsável por uma das cadeiras no comitê de economia, Per Stromberg completou: “O comitê não decide livremente os prêmios. Nós agregamos a opinião dos proponentes em todo o mundo. Dependemos de suas nomeações. Então, se houver qualquer coisa que possamos fazer, é um apelo para que os órgãos de nomeação tomem essa questão muito a sério.”

Relembre mulheres que conquistaram o prêmio:

 

Indicada em 2013, a garota conquistou a categoria Nobel da Paz” em 2014 (Foto: Divulgação)

 

A religiosa também conquistou o Nobel da Paz em 1979 (Foto: Divulgação)

 

A cientista conquistou o prêmio duas vezes, em Física em 1903 e em Ciência em 1911 (Foto: Divulgação)


Inteligência artificial e inclusão: os destaques do 4º Fórum Nacional de Educação e Inovação

Luiz Fernando Furlan, Gustavo Ene, CEO do Lide, Viviane Senna, Mendonça Filho, Osmar Zogbi, presidente do Lide Educação, e Fernando Costa (Foto: Arquivo blog)

 

O Grupo Lide, em parceria com o Instituto Ayrton Senna, reuniu um time de peso nesta terça-feira, em São Paulo, para o 4º Fórum Nacional de Educação e Inovação. Empresários, educadores e autoridades públicas foram debater a importância do ensino como impulsionador das competências necessárias para tornar o Brasil um país mais produtivo, eficiente e inovador.

Entre os palestrantes, o Ministro da Educação, Mendonça Filho, o economista-chefe do Instituto Ayrton Senna, Ricardo Paes de Barros, e o CTO da IBM Brasil, Luis Fernando Liguori, que deu uma aula sobre inteligência artificial e suas possíveis aplicações na educação, especialmente à distância.

Assunto de extremo interesse para Fernando Costa, reitor da Universidade Brasil e patrocinador master do fórum, que também participou do evento como debatedor. “A inteligência artificial vai ajudar muito na construção do conhecimento, mas ao contrário do que se pensa, sem substituir o professor. É uma ferramenta, que espero começar a usar em breve”, contou ao blog.

O Ministro da Educação, Mendonça Filho, ao lado de Viviane Senna e Fernando Costa, em entrevista à repórter Iza Stein (Foto: Arquivo blog)

 

Fernando, aliás, participou da abertura do evento, e defendeu a opinião de que o ensino superior não deveria ser público no Brasil. “Os gastos deveriam ir para outras áreas: saúde, educação infantil, habitação… Deixa a iniciativa privada atuar nessa área. Ela tem mostrado competência e eficiência”, propôs. O Brasil seguiria o modelo dos Estados Unidos, com financiamento para estudantes de baixa renda. “Quem estuda em universidade pública hoje? Rico!”.

O ex-ministro Luis Fernando Furlan, hoje Chairman do Grupo Lide, faz coro: “Eu há anos defendo que a universidade deve ser paga, alocando bolsas de estudo para quem comprovadamente não tem capacidade de pagamento. Então você deixa de ter a escola pública muitas vezes ocupada pela elite, sem contrapartida. Mas essa é uma discussão complexa, já que é obviamente difícil mudar o sistema atual”.

Além de Fernando Costa, compunham a mesa de debatedores Viviane Senna, Alberto Leite (CEO da FS), Marcelo Negri (professor da FGV), Decio Correa Lima (Vice-Presidente Corporativo da Universidade Brasil), Ricardo Henriques (Superintendente Executivo do Instituto Unibanco) e Leonardo Framil (CEO da Accenture).

Para o Secretário Municipal da Educação, Alexandre Schneider, que foi representando o prefeito João Doria, um dos grandes méritos do encontro é buscar a inovação e a inclusão na educação. “Isso é muito importante para garantir justiça social. Hoje o Brasil é um país em que os estudantes partem de uma loteria. Dependendo de onde você nasce, isso determina seu futuro”, ressalta.

Viviane Senna com o ex-ministro Luiz Fernando Furlan; Alexandre Schneider, Secretário Municipal de Educação (Fotos: Arquivo blog)

 

Ainda no tema da inovação, Viviane Senna destacou o fato de que o sistema educacional do mundo todo não mudou quase nada em 200 anos: “Nos últimos séculos tivemos uma revolução tecnológica e científica em todos os aspectos da evolução humana, mas não na educação. Temos exatamente a mesma estrutura educacional do século XIX”.

Já o Ministro da Educação, Mendonça Filho, ressaltou a importância de uma mobilização da sociedade na construção de uma educação de qualidade. “Infelizmente a educação no Brasil não é um tema que envolve a sociedade brasileira. Enquanto essa agenda for uma agenda só do governo, a gente vai continuar na rabeira dessa corrida. Ou é uma agenda da sociedade, ou a gente não vai conseguir mudar”, afirmou.


Feliciano quer proibir o uso de símbolos sagrados em espetáculos públicos

Uma proposta do deputado Marco Feliciano (PSC/SP) está gerando controvérsias no universo do entretenimento brasileiro. No último dia 19 de setembro, o presidente da Igreja Assembleia de Deus Catedral do Avivamento apresentou uma um projeto de lei para proibir que exibições ou apresentações ao vivo abertas ao público profanem símbolos sagrados.

O projeto foi motivado pela exposição de arte “Queermuseu”, promovida pelo Banco Santander, em Porto Alegre, banida após alegações de apologia à pedofilia e à zoofilia.

O deputado quer proibir o uso de símbolos sagrados (Foto: Divulgação)

 

Entregue na Câmara dos Deputados, a proposta modificaria o artigo 74 do Estatuto da Criança e do Adolescente – que já obriga os responsáveis pelas diversões e espetáculos públicos a afixar, em lugar visível e de fácil acesso, informação destacada sobre a natureza do espetáculo e a classificação etária – para incluir a proibição do uso de símbolos e ampliar os tipos de evento a serem regulados.

Seriam afetadas apresentações circenses, teatrais e shows musicais, programas de TV, filmes, DVDs, jogos eletrônicos e de interpretação – RPG e, claro, exposições de arte. Ficariam proibidas no Brasil, por exemplo, a apresentação de bandas como Black Sabbath e Sepultura, e até jogos de temática medieval.

Para o político, “o PSC, por ser um partido cristão que preza por uma sociedade mais justa arraigada nos princípios da moral e dos bons costumes, sobretudo, da dignidade humana, não pode nunca compactuar com tal comportamento”.


Ex-bailarina de Xuxa pode vir a ser primeira-dama do Brasil. Vem saber!

Ciro Gomes e Giselle Bezerra (Foto: Reprodução)

 

Ex-governador do Ceará, pré-candidato à Presidência pelo PDT em 2018, Ciro Gomes não esconde que seu coração tem nova dona. O nome dela é Giselle Bezerra, produtora de TV, formada em radialismo pela Universidade Estácio de Sá.

Mas o que pouca gente lembra é que Giselle já foi a Mina Gi, uma das dançarinas de um grupo chamado Manos e Minas, que dividia o palco do “Planeta Xuxa” com as Paquitas. O grupo participou do programa em 2001 e 2002, e era formado por garotas um pouco mais velhas do que as Paquitas.

As dançarinas Lílian Pereira, Luana Otero e Giselle Bezerra na época do programa “Planeta Xuxa” (Foto: Reprodução)

 

Morena de sorriso largo, expansiva, natural do Ceará, Giselle é companhia certa ao lado de Ciro em eventos políticos, sociais e encontros informais entre amigos, como o recente jantar oferecido por Jayme Monjardim e a mulher, Tania Mara – que ainda contou com a presença de Renata Aragão e Lilian, Xuxa e Junno.

Perguntada sobre a possibilidade de vir a ser primeira-dama, já que Ciro concorre ao cargo de presidente, foi sucinta: “Tomara!”.

***

Ciro Gomes já foi casado com Patrícia Saboya entre 1983 e 1999 e com ela teve três filhos: Ciro, Yuri e Lívia. Também foi casado com a atriz Patrícia Pillar, entre 1999 e dezembro de 2011. Depois, assumiu um relacionamento com Zara Castro, com quem teve o quarto filho, Gael.

Confira a estreia dos Manos e Minas no programa da Xuxa – Giselle aparece no 7’17:


Museus de NY fazem projeções em apoio ao Queermuseu

Foto: Reprodução Facebook

 

A exposição “Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, cancelada no começo do mês em Porto Alegre depois de receber acusações de fazer referência à pedofilia e à zoofilia, continua dando o que falar. Essa mesma exposição está prevista para ser exibida no Museu de Arte do Rio e, acreditem, ganhou uma homenagem nas paredes de dois dos principais museus de Nova York, EUA, no último sábado (23).

O New Museum of Contemporary Art e o Whitney Museum fizeram projeções em suas fachadas com mensagens como “Brasil, o mundo está assistindo”, “Ditadura nunca mais” e “Nova York ama Queermuseu”, além de imagens de algumas das artes mais polêmicas expostas no Santander Cultural.

O evento  “NY loves Queermuseu” foi idealizado por Cibele Vieira, uma das artistas com obras na exposição, e surge pouco mais de uma semana após ato semelhante na Consolação, em São Paulo. Tudo só foi possível com a ajuda de um financiamento coletivo envolvendo brasileiros e norte-americanos.

 

Foto: Reprodução Facebook

 

Foto: Reprodução Facebook

 

Foto: Reprodução Facebook


Sósia de Joesley, maestro é parado nas ruas mesmo após prisão do empresário

Quem é quem? À esquerda, o maestro Renato Misiuk; à direita, Joesley Batista (Fotos: divulgação)

 

O maestro Renato Misiuk, regente da orquestra Allegro, tem passado por situações um tanto peculiares desde maio deste ano. Sua semelhança física com Joesley Batista fez dele o sósia oficial do empresário. Segundo Renato, toda vez que sai na rua, pelo menos uma pessoa o aborda para uma selfie ou para comentar o quanto os dois são parecidos.

Ele garante que não fica incomodado, mas passou a usar óculos escuros para evitar ao máximo o assédio. Pelo menos nunca teve de lidar com comentários maldosos: “Sempre foi na brincadeira, no humor. Dou risada junto”, conta ao blog.

O mais curioso é que a orquestra Allegro, que Renato rege, foi contratada para tocar no casamento cinematográfico de Joesley com a jornalista Ticiana Vilas Boas, em 2015. E não é que um convidado confundiu o músico com o noivo?

Agora, Joesley está careca porque foi preso, mas Renato continua sendo confundido: “É que não é só o cabelo. Nossos rostos são bem parecidos. Alguns dizem até que ele só raspou o cabelo para não se parecer mais comigo”, brinca.

E o “assédio” acontece mesmo fora do Brasil. Em viagem a Londres, o maestro conta que percebeu que um casal estava na dúvida se ele era ou não Joesley: “Eu estava na seção de eletrônicos e reparei que os dois estavam falando um para o outro coisas como ‘é ele sim’.” Quando isso acontece, uma das diversões do músico é fingir que está se escondendo, só para confundir ainda mais.


Jornalista Valeria Monteiro lança candidatura à presidência; confira o vídeo

Foto: Divulgação

A jornalista mineira Valéria Monteiro, que foi apresentadora do ‘Fantástico’ entre o fim dos anos 1980 e o começo dos anos 1990, e a primeira mulher na bancada do ‘Jornal Nacional’, está lançando a sua pré-candidatura à presidência da República.

A também ex-atriz postou em seu Facebook um vídeo em que diz que ainda não tem partido, mas que topa entrar em um “corajoso o suficiente” que a aceite.

Veja:


Tonico Pereira comenta novas reformas políticas: “É um estupro”

O cineasta Bigode e o ator Tonico Pereira (Foto: Zzn Peres)

 

Responsável por dar vida a “Abel”, um pai presente e protetor, na novela das 21h, “A Força do Querer”, Tonico Pereira mostra que, na vida real, é bem parecido com seu personagem nesse quesito. O ator marcou presença no desfile da estilista Teresa Freire em parceria com a artista plástica Patrícia Secco para ver sua filha mais nova, Nina, de 12 anos, se destacar na passarela da marca de moda praia na última quarta-feira (20).

Comemorando 50 anos de carreira, o ator comentou que o tempo passou rápido demais, mas que se orgulha de cada personagem que representou: “Toda vez que entrei em cena ganhando, esse dinheiro me sustentou e sustentou a minha família, então todos eles são importantes.”

Nina, filha de Tonico Pereira, durante o desfile (Foto: Zzn Peres)

 

Além da trama da Rede Globo, Pereira lançou no início do mês seu “Primeiro (e talvez o último) almanaque à mão das Toniquices do Pereira”, da editora Multifoco, sobre “pensamentos, loucuras e muita sacanagem”, comenta. O ator também está no teatro, com a peça “Os Sete Gatinhos”, de Nelson Rodrigues: “É um clássico rodriguiano que combate e denuncia a hipocrisia mais uma vez.”

Responsável por grandes frases de impacto sobre a política nacional, Tonico compara as novas propostas de reformas do governo a um estupro: “Isso é uma ingerência na liberdade que o ser humano deveria ter, é uma ingerência de pessoas que não têm o que pensar e o que fazer e acham que são donas, por exemplo, do meu corpo. Meu corpo é meu, como o seu é seu, e nós nos usaremos se quisermos, nunca forçadamente. E a atitude dessas pessoas pra mim é um estupro. Reivindicar algo que vai de encontro à liberdade é igual a um estupro.”


Advogado de defesa de Joesley Batista rebate entrevista de Rodrigo Janot

O empresário Joesley Batista (Foto: Divulgação)

 

O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, ou Kakay – que interrompeu sua viagem de comemoração de 60 anos em Portugal para sustentar o pedido de liberdade de Joesley e Wesley Batista nesta quinta-feira, em sessão do Superior Tribunal de Justiça – rebateu a entrevista de Rodrigo Janot ao “Correio Brasiliense”, em que afirma, entre outras coisas, que “o sujeito [Joesley] não pulou o lado, continuou ao lado da bandidagem”.

Janot, que encerrou seu mandato à frente da Procuradoria Geral da República nesta segunda-feira, declarou também que os irmãos Batista esconderam fatos, e completou: “Quando a gente faz um acordo desse, é de natureza penal, a gente está negociando com bandido, bandi-dê-ó-dó. O cara, porque é colaborador da Justiça, não deixa de ser bandido. (…) O colaborador tem que vir de coração aberto, tem que vir para o lado do Estado. Tem que falar tudo.”

Para Kakay, a entrevista está “claramente fora do tom adequado a alguém que ocupou cargo tão importante”, e que “Janot ataca violentamente a pessoa de Joesley Batista de maneira desleal e desproporcional, mais uma vez”.

Sua preocupação é a desmoralização da colaboração premiada e a criação de instabilidade para todos aqueles que foram delatores. Diz também que a atuação do magistrado “demonstra e reforça a forma melancólica com que o ex-PGR despede-se do cargo máximo do Ministério Público, ressaltando detalhes internos, expondo de forma estranha e bastante ruim para a sociedade brasileira como o Ministério Público está claramente dividido”.

Por fim, Kakay ressalta a dificuldade de lidar com esse grau de animosidade. “Esperamos que o Ministério Público Federal honre a sua tradição, honre seus compromissos, em nome da segurança jurídica e da perpetuação do estado democrático de direito”.