Topo
Blog do Amaury Jr.

Blog do Amaury Jr.

Antonio Calloni para viver Roger Abdelmassih: "Abri minhas gavetas e tirei a maldade"

Amaury Jr.

13/09/2018 17h17

Por Bruno Meier

Antonio Calloni como Roger Sadala, o Abdelmassih da Globo: "um homem que "adoeceu" com o tamanho do poder que teve nas mãos e virou um criminoso". Foto: Globo / Ramón Vasconcelos

 

Em agosto de 2017, Antonio Calloni recebeu uma ligação de Monica Albuquerque, executiva artística da Globo, que lhe falou do difícil papel que lhe reservaram: viver Roger Abdelmassih em Assédio, série sobre os crimes do médico condenado a 181 anos de prisão por abusar sexualmente de pacientes. Assédio é inspirada no livro A clínica — A farsa e os crimes de Roger Abdelmassih, de Vicente Vilardaga, lançado em 2016.

Em sua primeira entrevista sobre o personagem, o ator conta como construiu o médico. "Abri minhas gavetas internas e tirei a perversão, a maldade, a bondade, o amor… Ele amava profundamente (e a sua maneira) a família. Mas tornou-se um criminoso pelas más escolhas que teve", diz. "Roger é um homem que "adoeceu" com o tamanho do poder que teve nas mãos e virou um criminoso".

Hoje com 74 anos, Abdelmassih já foi considerado um dos principais especialistas em reprodução humana no Brasil. Em novembro de 2010, ele foi condenado a 278 anos de reclusão. No ano seguinte, teve seu registro profissional cassado pelo Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp). Após passar três anos foragido, o ex-médico foi preso no Paraguai em agosto de 2014. Em outubro daquele ano, sua pena foi reduzida para 181 anos, 11 meses e 12 dias, por decisão judicial.

A série Assédio terá sua estreia em 21 de setembro, apenas para assinantes do serviço de streaming da Globo, o GloboPlay. Ainda não há previsão de lançamento na Globo.  Escrita por Maria Camargo e dirigida por Amora Mautner, a série tem chances de ser uma das obras mais fortes e violentas dos últimos tempos.

A seguir, a entrevista de Antonio Calloni sobre o tema e seu novo personagem, Roger Sadala (para evitar processos, a Globo decidiu não usar o sobrenome do original).

 

Antes de receber o convite para viver Roger Abdelmassih, quais eram suas impressões dele?

Antes e depois do convite, as impressões continuam as mesmas: um homem que "adoeceu" com o tamanho do poder que teve nas mãos e virou um criminoso. 

Qual sua reflexão sobre o personagem e a motivação para seus crimes?

O instinto venceu a cultura. O desequilíbrio venceu o equilíbrio. A libido descontrolada aliada ao poder de gerar a vida, fizeram de um grande médico, um criminoso.

 Como construiu seu Roger? 

Vi vários, incontáveis, vídeos do Roger (real) falando. Conversei e visitei o consultório e os laboratórios do Dr. Dale – Clínica Dale no RJ – Ginecologia, Medicina da Reprodução e obstetrícia. Mas a principal fonte foi o texto da Maria Camargo, muito bem escrito. O personagem é livremente inspirado no médico real. É importante ressaltar que é uma obra de ficção e não um documentário.

 Qual foi a cena mais difícil de fazer?

TODAS! Eu acreditei o tempo inteiro nele. Imagine como isso é difícil! E eu acreditei. Acreditei para torná-lo real. Acho que consegui.

 O que mudou do tema assédio para você com a série e por que crê que se fala muito mais do tema nos últimos anos?

A série, Assédio, é entretenimento feito com muita responsabilidade, ética e bom gosto. Vai gerar debate e envolver o público numa história de suspense, dor, amor e muita luta. O tema aflorou nos últimos anos, principalmente, mas não exclusivamente, por causa do amadurecimento, empoderamento, coragem e maturidade das mulheres. 

 Como você crê que este personagem ficará marcado na sua carreira?  

Espero que esse personagem contribua para o debate e seja lembrado como um trabalho artístico feito com muita dedicação e responsabilidade. Nada que é humano me é estranho, temos todas as possibilidades dentro da gente. Somos capazes de tudo. Os que têm a sorte de poder escolher, e fazem boas escolhas, escolhem fazer o bem (que é mais fácil e gera mais prazer). Os que fazem escolhas ruins, mais cedo ou mais tarde, pagam por isso. Para fazer o personagem, abri minhas gavetas internas e tirei a perversão, a maldade, a bondade, o amor… ele amava profundamente (e a sua maneira) a família. Mas tornou-se um criminoso pelas más escolhas que teve. Assim é a vida…

Sobre os autores

Amaury Jr.

É jornalista e apresentador de TV. É o mais conhecido colunista social do Brasil e considerado o criador do colunismo social eletrônico no país, onde mantém um programa de TV há 37 anos ininterruptos. Atualmente, está no ar aos sábados, às 23h30, na Band.

Bruno Meier

Começou no jornalismo pela revista Veja. Foi repórter de cultura e editor-titular da coluna Gente, espaço semanal focado na cobertura de personalidades e celebridades no Brasil e mundo. É autor do livro "A Vida É uma Festa", sobre Amaury, e editor-chefe deste blog.

Sobre o blog

Notícias, bastidores e informações exclusivas sobre quem é assunto no showbiz, na cultura, na política, nos negócios e em todas as rodas sociais, contando com a enorme malha de informantes conquistada por Amaury Jr.

Também é um espaço para compartilhar histórias e curiosidades que lhe foram relatadas ao pé do ouvido nas mil e uma noites em que circulou. Para completar, temos flashbacks de sua carreira, retirados de um precioso arquivo que documenta expressivamente a evolução da sociedade brasileira.