Topo
Blog do Amaury Jr.

Blog do Amaury Jr.

Giovanna Lancellotti faz balanço de Rochelle em 'Segundo Sol'

michellekaloussieh

06/11/2018 23h20

Por Bruno Meier

Lancelloti sobre o trabalho em "Segundo Sol": "Foi muito transformador, principalmente porque (a doença da síndrome) nada disso estava programado" | Créditos: Manuela Scarpa/Brazil News

 

 

Antes de encarnar a patricinha e blogueira Rochelle de Segundo Sol, Giovanna Lancellotti foi avisada pelo autor João Emanuel Carneiro: sua missão seria cabeluda. "Ele deixou claro que Rochelle era uma diabinha", diz a atriz. Tendo como arma uma franja que acentua seu olhar de monstrinha mimada, Giovanna pagou para ver — e agora colhe os louros. Com sua crueldade fútil e incorreção social, Rochelle foi daquelas personagens secundárias que emergem para ombrear com medalhões — como Adriana Esteves e sua Laureta.

Aos 25 anos, e acostumada a viver personagens simpáticas em quatro novelas anteriores, Giovanna sabe que, ao menos até agora, Rochelle é o personagem de sua carreira. "Quando olho para trás, e nem é tão atrás, me sinto honrada. Vou morrer de saudade", diz a atriz em entrevista ao blog do Amaury Jr. 

Sua personagem viveu uma explosiva transformação, como bem disse a atriz, durante os seis meses de novela. Logo no primeiro capítulo, Rochelle matou o peixinho de aquário da irmã adotiva Manu (Luisa Arraes), com quem vivia às turras. E a personagem só piorou. Incriminou uma empregada para encobrir que furtara um anel, escondeu drogas no quarto de Manu e escancarou o racismo quando a irmã descobriu que ela arrastara a asa para seu namorado: "Você acha que eu ia ficar com um negro?".

 

Giovanna Lancelloti em evento em São Paulo na terça-feira 6: "Vou morrer de saudades da Rochelle" | Créditos: Manuela Scarpa/Brazil News

 

 

Em nova fase de decadência da família, Rochelle não se cansou de humilhar a mãe e o pai. Ao descobrir as malas de dinheiro sujo de Severo, foi chantagear o avô. Até que, nas mãos do autor João Emanuel, surgiu o diagnóstico da síndrome de Guillain-Barré: "Foi muito transformador, principalmente porque nada disso estava programado – o lance da síndrome veio pela repercussão do público. Isso me deixa mais feliz. Independente das maldades da Rochelle, ela sempre foi muito verdadeira e as pessoas gostaram. Não que apoiassem as maldades dela. Foi muito lindo, para mim, como atriz. Visitei hospitais, centros de habilitação. Foi um mês pra isso. Com dieta, emagreci 4 quilos para nas cenas de hospitais ela estar bem frágil", diz Giovanna.

Segundo Sol termina esta semana e já pode-se registrar duas marcas da novela. Uma é de ter transformado o horário nobre das 9 da noite num palco vibrante de um debate moral – com personagens que pouco faziam escolhas claras entre o bem e o mal. Que o dirá Rochelle! E segundo pelo talento e a vibrante interpretação de Giovanna Lancellotti.

 

Giovanna: "Independente das maldades da Rochelle, ela sempre foi muito verdadeira e as pessoas gostaram" | Foto: Reprodução Instagram

 

Sobre os autores

Amaury Jr.

É jornalista e apresentador de TV. É o mais conhecido colunista social do Brasil e considerado o criador do colunismo social eletrônico no país, onde mantém um programa de TV há 37 anos ininterruptos. Atualmente, está no ar aos sábados, às 23h30, na Band.

Bruno Meier

Começou no jornalismo pela revista Veja. Foi repórter de cultura e editor-titular da coluna Gente, espaço semanal focado na cobertura de personalidades e celebridades no Brasil e mundo. É autor do livro "A Vida É uma Festa", sobre Amaury, e editor-chefe deste blog.

Sobre o blog

Notícias, bastidores e informações exclusivas sobre quem é assunto no showbiz, na cultura, na política, nos negócios e em todas as rodas sociais, contando com a enorme malha de informantes conquistada por Amaury Jr.

Também é um espaço para compartilhar histórias e curiosidades que lhe foram relatadas ao pé do ouvido nas mil e uma noites em que circulou. Para completar, temos flashbacks de sua carreira, retirados de um precioso arquivo que documenta expressivamente a evolução da sociedade brasileira.